ESTRATÉGIAS SEROTONINÉRGICAS ACERCA DA PERFORMANCE ESPORTIVA






Durante esse período pandêmico, uma grande lacuna aparece e levanta questões importantes na nutrição esportiva. Assim como existe um monitoramento importante de estresse e humor durante a adesão de qualquer indivíduo a um plano alimentar restrito, também se questiona o potencial de alimentos diante de atletas em período competitivo, visto que quaisquer destes grupos podem ser classificados com quadros de ansiedade, estresse aumentado, compulsões em períodos de alteração hormonal, entre outras situações.



Artigos apresentam dados importantes que demonstram tanto a relevância do sistema serotoninérgico através da regulação de apetite e controle da ingestão alimentar quanto na ativação de receptores referentes ao balanço energético e ansiedade (FEIJO et al., 2011). Outra variável importante é relativa à baixa sinalização e alteração de sono, influenciando também o humor, concentração e controle de comportamento dado pela redução de estoque/neurotransmissores importantes (5-HTP, Triptofano, Treonina, Tirosina, Histidina, dopamina, noradrenalina e outros).



As interessantes relações de tantas informações levam a correlações sinérgicas e que, quando controladas, facilitam a rotina de um atleta, praticante ou até mesmo de um sedentário em busca de reeducação alimentar (LEITE et al, 2009: SILVA et al., 2019). Ao analisar fatores desencadeadores de compulsão, overtraining, lesões especificas e baixa adesão nutricional encontram-se ligações importantes que devem estar equilibradas durante a elaboração de planejamentos alimentares distintos.



Dando segmento a manobras que auxiliem/evitem possíveis síndromes ou dificuldades de tratamento, sugere-se a ingesta estratégica de alimentos fonte de triptofano (peixes, grão-de-bico, cacau, frutas secas, oleaginosas) em quantidades controladas ao longo do dia (NARVAES, 2013).



Em rotinas de competições, também existem estratégias que justifiquem o uso de alimentos/suplementos com triptofano e complexo B para auxiliar o controle de alterações psicofisiológicas em atletas distintos.



Em suma, é surpreendente como o âmbito nutricional se torna amplo quando bem aprofundado. Tudo muito dependente de cálculos e interações, mas representando diferenças significativas acerca dos resultados pretendidos.