A SUPLEMENTAÇÃO DE AMINOÁCIDOS NA GINÁSTICA ARTÍSTICA DE ALTO RENDIMENTO






O esporte de alto rendimento exige uma demanda estratégica nutricional aquém de outros públicos. A solicitação energética e tempo- resposta estão relacionadas com o gasto, intensidade, tempo de treinamento, estímulo e intervalo associados.



A ginástica artística (GA) é definida como esporte de força e perfil estético distintos. É uma modalidade caracterizada por treinamentos extenuantes e, por vezes, excessiva no controle alimentar para alcance e manutenção do corpo ideal (NUNOMURA et al., 2012).



A maior preocupação na construção do planejamento alimentar de atletas de GA está em conciliar composição corporal adequada para melhor efetividade dos elementos obrigatórios nas séries. No contexto dessas exigências, os aminoácidos são introduzidos de forma livre afim de complementar a condição energética dos indivíduos por meio das funções de recuperação, anabolismo muscular controlado, força, reflexo e oxidação de gordura.



A GA sugere um grande papel estético no qual o peso e a força sejam bem direcionados. A preocupação de atletas e treinadores com essas variáveis e suas resultantes torna eventualmente inviável um processo elucidado de suplementação sem orientação nesse esporte (ROBLE e col, 2013: STERKOWICZ, 2011: NEVES et al.,2016).



Entretanto, do ponto de vista cinemático, existem mudanças em padrões de velocidade, ângulo, tempo, aterrissagem e deslocamento que variam também de acordo com nível técnico, forma física e plasticidade. Diferentemente de outros esportes, a GA depende muito da força relativa inerente ao ganho de massa muscular pois o volume também pode acarretar danos aos movimentos, que são avaliados esteticamente (SCHARER et al., 2019:MULLER et al., 2020).



A melhor aceitação em termos de suplementação na modalidade é com prescrição de a.a, visto a ampla diversidade de efeitos ergogênicos associados e a baixa carga calórica administrada quando se discute a introdução desses componentes isoladamente.



Outra questão importante é o tempo-resposta. Esportistas que possuem longo tempo de adesão dietética, muitas vezes, possuem maior exigência do organismo quanto à qualidade do suplemento utilizado.



Ao levantar questionamentos sobre a percepção de efeito da complementação utilizada por ginastas olímpicos brasileiros, foi relatada boa aceitação e acuidade quanto à ingesta mútua dos aminoácidos compostos no produto “aminoVITAL® GOLD”. Posteriormente analisado, o produto sinaliza melhor biodisponibilidade e absorção quando comparado a bases similares no mercado.



De fato, é imprescindível que atletas em alta perfomance sejam orientados de maneira individual, para que todo e qualquer planejamento nutricional possa contribuir com um desenvolvimento saudável e efetivo em alto rendimento.



Caroline Ayme Fernandes Yoshioka é nutricionista Esportiva-EEFE/USP, mestre em Suplementação-USJT, doutoranda em Esporte-UNICAMP e consultora da Ajinomoto do Brasil no Projeto Vitória.